A arte de cozinhar uma gororoba

Para os verdadeiros gourmets! Num mundo cada dia mais infestado por pessoas que juram que são sommeliers desde criancinha, há uma verdadeira arte gastronômica em vias de extinção. A arte de cozinhar uma gororoba. Gororoba, uma comida que nunca seria servida num restaurante fino e cuja receita seria vetada em qualquer um dos 139202390 mil programas de culinária exibidos diariamente na TV. Uma alquimia que faria os gourmets freqüentadores de delis terem ânsias de vômito e nossas avós morrerem de orgulho. Não sei como é a de vocês, mas a minha avó é mestre em fazer tortas incríveis com receitas secretas. Você vai perguntar de que é feito e ela dá um sorriso cínico e desconversa. Mais tarde, quando você vai na geladeira pegar uma água, descobre que os tupewares com resto de sopa, sobras de coalhada e recheio dormido de pastel desapareceram misteriosamente.”

A gastronomia gororoba se baseia em quatro fundamentos.
1 – Nunca desperdice comida. E não porque é pecado ou  porque pessoas na África estão passando fome. E sim porque VOCÊ pode estar passando fome no sábado à noite. E as sobras de rango da geladeira poderão se transformar num manjar dos deuses.
“2 – Não tenha nojinho e saia falando “”eca”” para qualquer novidade. É preciso ter a mente aberta. E o estômago de um avestruz.”
3 – Pratos de comida são como seres humanos. Os feios podem ser os mais gostosos.
4 – E, por fim, tenha sempre um sal de frutas em casa. Não custa.

Há um mês, numa espécie de jantar mega-fino num fim de semana mega-gourmet, uma amiga decretou que a maior heresia culinária era requentar um risoto. Porque era um prato para ser saboreado al dente (termo que os sommeliers desde criancinha amam). Tentei discordar, disse que o risoto requentado também tinha suas qualidades. Mas ela parecia ofendida com aquela afirmação.  Até que dei um golpe baixo, evocando nosso passado: há cinco anos, naquela mesma casa de serra – quando éramos mais pobres, menos finas e achávamos que cabernet era uma marca de vinho –  tentamos usar risoto velho para fazer bolinhos. Deu errado, o aspecto ficou péssimo mas comemos até o último grão de arroz molengo.  Mesmo assim, ela continuou inabalável na sua opinião de que risoto era para ser comido fumegante, recém saído da panela.
“Durante a madrugada, esta mesma pessoa foi flagrada comendo uma grande colher de risoto gelado. Ou seja, não importa o quão finos sejamos. Todo ser humano tem  – potencialmente – uma verdadeira compulsão por gororobas e pizza fria. Por exemplo, os lingüistas do Dicionário Houaiss, que devem ser pessoas sofisticadas. Eles dizem que gororoba é “”comida mal feita””. Mas se você for ver – no mesmo dicionário –  o significado de “”roupa-velha”” vai ler que é uma IGUARIA feita com restos de carne e peixe!”
Queremos ter finesse mas, no fundo, gostamos de um bom mexidinho ou  pão com ovo!
É porque isso que brindo vocês, leitores, com a maravilhosa receita …
“Se você tiver nojinho, não clique para ver a próxima página!
Risoto mágico requentado
Ingredientes: tudo o que você precisa é de um resto de risoto. E um ingrediente surpresa que só será revelado mais tarde. É importante notar que para ser um mestre na arte da gororoba é preciso saber cozinhar. Afinal, como é que o risoto foi parar na geladeira?! Magia? Paranormalidade? Não! Foi você quem fez um risoto al dente incrível!
Modo de fazer
Pegue o risoto que sobrou e que foi guardado num tupeware
Coloque numa frigideira de tefal
Coloque água – pode ser fria mesmo – no risoto para poder requentá-lo sem queimar
Logo aquilo começará a esquentar e você pode aproveitar este momento para brincar de geólogo, fingindo que aquelas bolhas são uma espécie de erupção vulcânica. Quando a brincadeira tiver perdido a graça, dê uma misturada naquela gostosa papa.
Agora é preciso colocar novos ingredientes: capriche no parmesão – e não precisa ser parmigiano reggiano – pode ser aquele queijo de quinta que vem em saquinhos plásticos.
Espere reduzir. Se você não sabe o que é reduzir, vá fazer um curso de culinária para idiotas.
Quando você achar que está pronto, é chegada a hora do toque de mestre….
Jogue um ovo cru em cima disso tudo e tampe a panela. O ovo irá cozinhar mas a gema ficará ainda mole.
Retire com cuidado, passando o alimento da frigideira para o seu prato, com cautela para a gema não estourar. Ela deverá estar posicionada em cima do monte de papa.
“Neste momento de glória, use o garfo para estourar a gema e brinque novamente de filme catástrofe, gritando “”socorro, o vulcão está em erupção!”””
E.. voilá!
Em seguida, vá tomar um sal de frutas, que é o que eu vou fazer exatamente agora. Com licença!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s