Não vai falar sobre isso hein….

O medo masculino de figurar nas páginas neurônicas! Ele se virou, antes de entrar no elevador, e disse ”
Não vai escrever um texto sobre isso, hein!
Eu sorri, meio irônica, meio sarcástica, meio sem graça. Não sei. E respondi:
Isso eu não posso garantir.
Mas quando a porta do elevador se fechou, eu pensei: claro que não vou escrever um texto sobre isso, seu bobinho.
Então é isso. Segunda-feira. Estou em frente ao computador. Não vou escrever sobre isso. Juro. Não posso. Eu prometi. Quer dizer, não prometi tecnicamente. Foi uma espécie de pacto silencioso. E nem sei o que escreveria. O que eu ia dizer? Que ele…
Não. Vou escrever sobre outras coisas. Tem tanta coisa para a gente falar. Por exemplo:
Fazer dieta é chato.
A minha casa às vezes fica desarrumada, tão desarrumada que eu não acho o telefone.
Quero fazer ionização no meu cabelo, tomar injeções de alcachofra e virar maratonista.
Por que ficamos nos preocupando com o rumo de nossa vida? Não vamos todos morrer mesmo?
Ontem a minha irmã foi atacada por um disco voador. Sim. É verdade. Pelo menos algo mais impactante do que contar o que aconteceu duas horas antes dele entrar no elevador e dizer: olha, não vai escrever nada sobre isso hein. E a porta do elevador se fechar.  Um fato relevante. Um ataque extraterrrestre. Eu juro.
Ela estava numa casa de campo erma, numa noite de chuva. Sozinha. Aí viu uma luz verde. As janelas tremeram. A luz da sala se apagou. Depois voltou. Aí ela me ligou. Fizemos uma pesquisa. Concluímos que poderia ser o chupa-chupa, um fenômeno de vampirismo da Amazônia. Só que ela está em Petrópolis.
Não, eu não estou inventando isso porque não posso falar sobre aquilo. É verdade. Juro por deus, de pés juntos. Minha irmã foi quase-abduzida pelo chupa-chupa. Isso, definitivamente, é mais importante. Uma luz verde e depois um apagão.
Corre para a casa do caseiro – eu disse.
E ela: Ah não, estou aqui vendo vídeo de dança do ventre.
Então é mais ou menos isso: ainda não consegui falar com a minha irmã hoje. Pode ter sido abduzida. Ou estar dormindo até agora.
Só me falta, a essa altura do campeonato, eu receber uma mensagem telepática – é assim que seres de outro planeta se comunicam. E um ser de plasma mais evoluído que a gente me dizer:
Não vai escrever um texto sobre isso, hein!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s