Melancolia tradicional de dezembro

Eu sei que eu já devia ter me acostumado. Eu sei. Na verdade, eu tenho certeza. Mas não consigo. E de novo chegou dezembro com uma angústia horrível junto. Já estou aqui, vagando meio perdida entre sacolas e listas de tarefas que eu não fiz. O nó no peito, mais tradicional que o Peru Natalino, está de volta. Todos os anos. Todos os anos.

Me arrumo para a festa de firma e acho que o modelo está errado. Arrumo uma mala de verão maior que a de inverno que foi pra Berlin. Resolvo levar 5 biquinis diferentes e duas leggins de borracha (alguém vai usar legging de borracha no Rio 40 graus?). Todos os anos a mesma angústia. Todos os anos.

Fazemos compras nos Jardins disfarçados e rimos aos tropeções. Na hora de dar thau eu choro em uma esquina. Todos os anos. Todos os anos. Todos os anos em dezembro eu choro em algum lugar esquisito, tipo shopping, banheiro de festa de firma. Todos os anos. Concluímos que eu levei um pouco de sentimento para os Jardins com as minhas lágrimas. E eu choro no táxi depois que dou thau para o amigo que sai andando pela rua (acompanho ele andar com o olhar). Todos os anos. Todos os anos. Todos os anos de dezembro eu choro dentro de táxi.

Depois vai ter um aeroporto lotado. Eu ouvindo Wander de novo no aeroporto cheio. “Seu pai deixou muito dinheiro, não contava com os pistoleiros”. As ruas cheias. O tráfego aéreo intenso, o especial de fim de ano do Rei. E a minha tradicional melancolia, tão banal. Todos os anos. Todos os anos.

Será que eu nunca vou mudar?

(Nina Lemos)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s