Confissões de uma Fanática por Eleições

Tem gente que gosta de Copa do mundo. Outros preferem Olimpíadas. Há, claro, os que não perdem o Carnaval. E existe também um tipo de gente, por vezes incompreendida, chamada os Fanáticos por Eleição. Eu amo Ano de Eleição. Desde que me entendo por gente. E minha primeira lembrança não podia ser mais passional. Lembro que o meu pai odiava a Sandra Cavalcanti. Odiava muito. Lembro até do partido dela: PTB. Na época não existia eleição para presidente, claro. E o meu pai, que como eu era um Fanático por Eleições, exercia sua paixão nas modestas eleições para deputado (devia ser estadual). Eles (meu pai e minha mãe) gostavam da Heloneida Studart, uma feminista (e eu cresci e deu no que deu, ah). E o meu tio gostava da Sandra Cavalcanti.
Sei que um dia cheguei na casa das minhas primas e elas estavam com uns panfletos da candidata. O que a criança inocente que eu era fez? Rasgou os santinhos, claro. E ainda jogou tudo para o alto rindo e gritando: “fascista! De direita!”
Bem, eu não devo ter gritado isso porque eu tinha uns sete anos e não conhecia essas palavras. Não sei o que eu falei. Fato é que levei uma bronca horrível depois. Essa deve ter sido a primeira vez que eu fui chamada de radical. E vamos lembrar, eu só tinha sete anos.
Cresci, um pouco, e fui ao comício das diretas. E virei uma Tancredista fanática. Chorei muito quando ele morreu e tinha uma gata chamada Risoleta Neves. Claro, também chorei quando a emenda das Diretas não passou. Eu e ele. E o ele é o meu pai.
Depois, claro, ele era brizolista. E eu também. Fanática. Fui a vários comícios na Cinelandia. Assistia os debates (amando, e até hoje eu amo). Não acompanhei a época do Fora Collor muito bem porque estava sofrendo por amor. E isso me lembra o quanto horrível é sofrer por amor. Meu deus! Até uma Fanática por Eleições fica deprimida e perde o melhor da festa: as passeatas! Claro, eu também adorava uma passeata.
Vou parar de contar minhas memórias políticas por aqui, porque senão vai parecer que eu tenho 80 anos, e eu ainda nem fiz 40. Só vou lembrar que quando o Lula ganhou da primeira vez o Pedro Alexandre deu uma festa. Em certa hora a síndica reclamou do barulho. Ele pegou o interfone e disse: “agora você vai ter que nos agüentar porque o país é nosso!”.
Agora, fazemos campanha no Twitter e perdemos seguidores. Não conseguimos falar de outra coisa. E eu, que ia escrever sobre desilusão romântica e outros sofrimentos narcísicos, olha só, acabei escrevendo sobre política. Como é bom ser uma Fanática por Eleições. Viu?

(Nina Lemos)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s